Avançar para o conteúdo principal

Empreendimento turístico, "Casas do Lupo", inaugurado na Lapa do Lobo

"Casas do Lupo", um empreendimento turístico localizado em Lapa do Lobo, concelho de Nelas, é o mais jovem projeto, este empresarial, de Carlos Cunha Torres e de Maria do Carmo Batalha, eles que também são os promotores da fundação Lapa do Lobo, esta uma instituição de direito privado sem fins lucrativos e com a finalidade de apoiar o desenvolvimento social, económico, cultural, educativo e artístico sobretudo dos mais carenciados, com especial preocupação pelos adolescentes.
Inaugurado no dia 3 de maio, este projeto, "Casas do Lupo", consta da recuperação, com integral respeito pela arquitetura típica local, de quatro casas rurais, integradas, e tem para oferecer oito quartos localizados no núcleo central e uma casa (T2), incluindo cozinha , sala e varanda, permitindo, esta última, uma estada com total autonomia.
No núcleo central, para além dos oito quartos, existe ainda a sala dos pequenos almoços, a sala de estar e bar, bem como o jardim com piscina e bar de apoio com com esplanada.
Os quartos são todos diferentes e a cada um deles corresponde uma identidade e decoração próprias, onde se assiste a um jogo decorativo que partindo de um elemento central, agrega elementos antigos, de casas da família dos promotores, com outros mais modernos, num conjunto de grande beleza e de enorme intimidade.
As casas rurais "Casas do Lupo" constituem-se, assim, como uma excelente alternativa à hotelaria convencional.
Congregando a qualidade do espaço e dos recursos humanos, este projeto empresarial, situado no concelho de Nelas, mas paredes meias com Carregal do Sal, está próximo de importantes produtos turísticos consolidados, mas também de tantos outros a promover e a descobrir, destacando-se aqui, entre uns e outros, os seguintes: Viseu, serra da Estrela, Aristides de Sousa Mendes, serra do Caramulo, Grão Vasco, fundação Lapa do Lobo, Viriato, rio Mondego, caldas da Felgueira, vinho do Dão, património mineiro, floresta, romarias, solares, monumentos pré-históricos, Aquilino Ribeiro, António Lobo Antunes...
Na inauguração estiveram presentes os presidentes das câmaras de Nelas e de Carregal do Sal, respetivamente, Borges da Silva, Rogério Abrantes e vereadores, os presidentes das assembleias municipais, António Borges e Carlos Jorge Gomes, o deputado Acácio Pinto, presidente da junta da Lapa do Lobo, outros autarcas de freguesias limítrofes, os arquitetos responsáveis pelo projeto, representantes de instituições e empreendimentos da região, a diretora da escola de turismo e hotelaria de Seia, Anabela Sardo, entre muitos outros amigos e convidados.
Usaram da palavra Carlos Cunha Torres, que apresentou e enquadrou o projeto, Acácio Pinto, Rogério Abrantes e Borges da Silva que se congratularam com e saudaram este empreendimento turístico.
(Fotos: L&C | Fernando Neto)

Comentários

MENSAGENS MAIS POPULARES

Segundo a Universidade de Aveiro, eucalipto de Contige, Sátão, é a maior árvore classificada de Portugal

Quem o diz é a Universidade de Aveiro na sua página do facebook, com data de 4 de janeiro, o eucalipto (Eucaliptus globus Labill) de Contige, no concelho de Sátão, é, em Portugal, o “recordista com 11 m de perímetro à altura do peito”, considerando mesmo tratar-se da “maior árvore classificada de Portugal.” Avança a Universidade na sua página que “é uma árvore imponente que não deixa indiferente quem entra na povoação. Plantado, provavelmente, em 1878, quando se abriu a Estrada das Donárias, é um dos maiores eucaliptos classificados até ao momento em Portugal. Localizado à beira da Estrada Nacional N.º 229, que liga Viseu a Satão.” E diz ainda aquela instituição de ensino superior que o eucalipto “terá pertencido à família Soares de Contige, ou a duas famílias (Garcia de Mascarenhas e Xavier do Amaral Carvalho) que se uniram em casamento no século XIX” e que “aquando da construção da estrada, e da expropriação do terreno, a monumentalidade deste exemplar terá contribuído para a

Opinião: Uma marca - Cereja de Resende

(Publicado no Diário: AS BEIRAS) Estive em Resende no 9º Festival da Cereja, no dia 30 de Maio, a acompanhar o Secretário de Estado da Administração Local, José Junqueiro e o anfitrião deste magnífico evento, António Borges, Presidente da Câmara Municipal de Resende, entre tantos outros. A partir de um produto endógeno, a Câmara Municipal, em união de esforços com todos os resendenses, criou uma marca de grande qualidade e que se estende, hoje, a todo o norte e já, mesmo, a todo o país: CEREJA DE RESENDE. São estes, afinal, os verdadeiros eventos que marcam a diferença e a dimensão das políticas autárquicas: i) pelo aproveitamento dos produtos endógenos que brotam do seio da terra; ii) pela riqueza que proporcionam aos residentes; iii) pela atracção turística que geram no país; iv) pela auto-estima e espírito de trabalho que acrescentam a todos os que ali vivem. Ali vi peregrinadores vindos de todo o país. Mais do norte, com certeza. Mas todos eles, visitantes ávidos de um fruto (e de

António Almeida Henriques

Foto: Facebook do Município de Viseu Costuma-se dizer que somos apanhados de surpresa e, quiçá, sem reação, quando as coisas acontecem sem data e sem hora predefinidas e programáveis. E se tal assim é para os muitos aspetos da vida também é para a morte. Porém, no caso da morte, a surpresa e a tristeza são incomensuráveis quando ela decide irromper e ceifar vidas extemporaneamente. Sim, bem sabemos que não há uma idade, um tempo, uma data para essa partida, mas, quando ela acontece muito aquém de uma chegada que nos habituámos a aceitar, o nosso questionamento não encontra uma resposta fácil e a teimosia, perante respostas de cariz mais religioso, é óbvia. Vem isto a propósito da morte de António Almeida Henriques, presidente da Câmara Municipal de Viseu, que aos 59 anos de idade, no pleno desempenho de funções eletivas e aprestando-se para mais uma pugna eleitoral, foi traiçoeiramente derrotado, muito aquém do tempo natural, por um vírus sem rosto e sem escrúpulos. Com ele prive