sexta-feira, 15 de junho de 2012

[opinião] O 'longa manus' de Merkell


Começa a tornar-se muito claro que Passos Coelho está a ser o mais obediente dos primeiros ministros de toda a União Europeia e o longa manus de Merkell em Portugal. Não há uma medida política, económica, uma ideia, qualquer que seja, da chanceler que Passos Coelho não defenda e aplique, de uma forma rigorosa e absoluta, no nosso país. E está a fazê-lo com grande determinação, não só para agradar à chanceler, mas porque toda esta linha política corresponde ao seu pensamento ideológico e ao pensamento da direção deste PSD.
E, portanto, é um papel que operacionaliza com a máxima das tranquilidades conjuntamente com o seu partner, Vítor Gaspar.
Ainda agora, depois de confrontado com este apoio, de cem mil milhões, que discrimina positivamente o Reino de Espanha, por oposição a Portugal, à Grécia e à Irlanda, ele justifica-se, em vez de exigir igual tratamento para o seu país, como já outros seus homólogos fizeram.
Mas esta sua deriva já vem de longe, como se sabe.
António José Seguro, secretário geral do PS, já por mais de uma vez manifestou, em vão, a sua oposição à estratégia que Passos tem vindo a trilhar: Pedindo o alargamento de um ano do prazo do programa de entendimento com a troika; propondo um pacto adicional ao tratado europeu; exigindo programas de crescimento e de emprego para a europa e um tratamento igual ao que agora foi prestado a Espanha.
Mas a insensibilidade de Passos é absoluta, apesar de hoje já não restarem grandes dúvidas mesmo a muitos daqueles que ontem propugnaram por estas medidas e por esta linha de profunda ortodoxia da austeridade.
E se há desígnio pelo qual hoje devemos lutar é o do aprofundamento da Europa, do federalismo e da moeda única. E isso não se consegue com a cegueira destes deterministas dos novos tempos que mais não veem do que o lado da consolidação orçamental, o lado das dívidas soberanas, mesmo que depois não sobrem empresas, nem sobre economia na União Europeia.
Os sinais que vêm de França são animadores e os sinais que vêm das eleições regionais da Alemanha não deixam dúvidas de que há um outro caminho que passa por uma europa, com certeza responsável e rigorosa, mas mais solidária, em que os europeus estejam primeiro e sejam eles próprios, também, os legitimadores de uma verdadeira governação europeia.
(Fotos: socialregister.co.uk; DN)

Sem comentários:

Enviar um comentário