sábado, 28 de fevereiro de 2015

António Costa quer julgamentos e lojas do cidadão em todos os concelhos

No encerramento do encontro nacional, em Santarém sobre "valorizar o território", onde estive no dia 28 de fevereiro:
«Um "novo olhar" sobre o mapa judiciário que permita que "em todas as sedes de concelho se realizem os julgamentos que digam respeito às gentes desses concelhos".
Esta foi - e também lojas do cidadão em todos os concelhos - uma das promessas que António Costa fez hoje, tendo em vista a próxima legislatura, se chegar a primeiro-ministro.
O líder do PS falava em Santarém, encerrando uma conferência do partido sobre valorização do território - conferência na qual prometeu que uma reforma do Estado que terá como "pedra angular" a descentralização de competências será a "marca da próxima legislatura".
Uma dos compromissos que deixou, neste capítulo, foi a de organizar nas CCDR's (Comissões de Coordenação Regionais) os serviços descentralizados do Estado, fazendo além do mais com que os dirigentes máximos aqueles organismos sejam eleitos pelos autarcas e não designados pelo Governo.
Costa garantiu que, se for primeiro-ministro, ficará diretamente responsável por uma Unidade de Missão que estudará e proporá medidas de desenvolvimento do interior do País (dos chamados "territórios de baixa densidade").
Prometeu, por outro lado, uma avaliação do processo de extinção de freguesias, o qual até poderá conduzir a novas alterações no mapa.
O líder socialista procurou utilizar a sua experiência como autarca como aval para a sua ação futura enquanto primeiro-ministro. "Reduzi [em Lisboa] a dívida em 40% enquanto ele [Passos Coelho] aumentou [a do país] em 18%. E esta é a diferença entre quem gere bem e quem gere mal."

E acrescentou: "Ser autarca fará de mim um melhor governante do que fui antes de ser autarca."»
(in: Diário de Notícias, 2015.02.28)

Sem comentários:

Enviar um comentário