terça-feira, 30 de outubro de 2012

Em conferência de imprensa os deputados do PS por Viseu acusam Governo de provocar degradação económica e social na região


«Os deputados do PS eleitos por Viseu acusaram hoje [29 outubro] o Governo de estar a "provocar a maior degradação económica e social" da região com a sua "política de austeridade desregrada, sem atender aos interesses mínimos das pessoas".
Em conferência de imprensa, José Junqueiro e Acácio Pinto deram como exemplo do que chamam "a maior degradação económica e social no distrito de Viseu desde o 25 de abril de 1974" o crescimento, em 2012, de 28 por cento no desemprego e mais de 43 por cento nas insolvências de empresas.
Estes números foram discutidos numa recente reunião entre os eleitos do PS por Viseu e a Associação Empresarial do Distrito de Viseu (AIRV), que, segundo José Junqueiro, transmitiu aos deputados a ideia de que "o Governo não se mostra sensível e não admite o diálogo perante um cenário de completo desespero e o estado de limite que os empresários chegaram" na região.
José Junqueiro e Acácio Pinto defenderam que se "este Governo, como se prevê, for incapaz de cumprir com a execução orçamental, como está a acontecer com o falhanço em todas as metas", deixa de ter "quaisquer condições para continuar a governação, impondo-se uma "intervenção superior" neste contexto, referindo-se ao Presidente da República.
Os deputados defendem que "o PS não pode dar a mão a um Governo que está a destruir o país" e afirmaram que em Viseu "não será cúmplice da condução do país a um estado de degradação total", apontando ainda o dedo aos "governantes com origens no distrito que demonstram desconhecimento e insensibilidade com o que se passa” na região.
"Tudo isto acontece num momento em que o primeiro-ministro e o seu Governo pretendem sair com o menor custo político possível", disse Junqueiro, acrescentando que "a ideia lançada de uma refundação do programa de ajustamento não significa mais que a assunção do falhanço em todas as metas".»
LUSA - RB
2012.10.29

Sem comentários:

Enviar um comentário