quarta-feira, 17 de julho de 2013

Exames 2013: A implosão das políticas de Nuno Crato

Jornal Público
A razia nas classificações dos exames de Matemática e Português, nos 6º e 9º anos de escolaridade, são a demonstração clara da falência das políticas do ministro Nuno Crato.
Em nove anos de realização de exames nacionais de 9º ano, assistimos, este ano, ao pior  resultado a  Português e ao terceiro pior a Matemática. Ambos com média negativa, respetivamente  47% e 43%. Também, os exames de 6º ano registam uma quebra, quando comparado com 2012.
Estes resultados comprovam o malogro das medidas precipitadas e avulsas deste executivo. Aliás, o Conselho Nacional de Educação em diversos pareceres e recomendações alerta para a necessidade da estabilidade das políticas educativas.
A volubilidade vivida nas escolas, nos últimos dois anos, plasmada, nomeadamente nas alterações curriculares, no aumento do número de alunos por turma e nos giga agrupamentos são apenas algumas das razões que contribuíram para a desarticulação gerada no sistema educativo com reflexos negativos no processo de ensino-aprendizagem.
O PS opôs-se, desde o início, a esta política de desmantelamento organizacional e curricular, cujos efeitos perversos só vêm agravar a qualidade do sistema educativo e amplificar as assimetrias sociais.
O pretenso rigor e a excelência, com que o ministro Nuno Crato continua a apresentar a dura realidade em que a escola pública está mergulhada, são desfeitos pelo coro de críticas oriundas das confederações de pais e encarregados de educação, dos diretores de escola e das associações de professores de matemática e de português, sobretudo no que se refere à desadequação dos exames ao nível etário dos alunos e na sua desarticulação com os programas em vigor.
Este Governo ao descentrar a ação dos professores e dos dirigentes escolares, da melhoria dos processos de ensino e dos resultados de aprendizagem, e ao desrespeitar os resultados dos estudos internacionais, reduz o direito fundamental da educação para todos, condenando, deste modo, o futuro do país.
GPPS

Sem comentários:

Enviar um comentário