Avançar para o conteúdo principal

Vozes de Abril - Sátão


Decorrem agora dois anos sobre um evento marcante que teve lugar na Casa da Cultura de Sátão: Vozes de Abril.

Foi um evento promovido pelo jornal Digital Dão e Demo e que teve como objetivo dar voz a algumas vozes de Abril de 1974, ano da revolução dos cravos.

Pela Casa da Cultura passaram vozes que foram testemunhos desses tempos, uma de Paulo Santos, que deu nota dos seus tempos da guerra colonial e outra de José Bernardino Figueiredo, que deu nota dos tempos conturbados que se viveram em Sátão por ocasião da revolução dos cravos.

Mas a iniciativa não se ficou por aqui. Sob a coordenação de Elisabete Bárbara, professora e diretora do Agrupamento de Escolas de Aguiar da Beira, e de Paula Cardoso, técnica superior e ex-diretora do Museu Nacional de Grão Vasco, de Viseu, ouviram-se na Casa da Cultura músicas dos tempos da revolução, através do grupo Easypop, poesias, textos e coreografias de Abril, pela voz das coordenadoras do evento e por tantos outros colaboradores do Teatro Municipal de Sátão, dinamizado pela professora Florbela Sá Cunha.

O evento contou ainda com o apoio da Câmara Municipal de Sátão. 

Comentários

MENSAGENS MAIS POPULARES

Opinião: Uma marca - Cereja de Resende

(Publicado no Diário: AS BEIRAS) Estive em Resende no 9º Festival da Cereja, no dia 30 de Maio, a acompanhar o Secretário de Estado da Administração Local, José Junqueiro e o anfitrião deste magnífico evento, António Borges, Presidente da Câmara Municipal de Resende, entre tantos outros. A partir de um produto endógeno, a Câmara Municipal, em união de esforços com todos os resendenses, criou uma marca de grande qualidade e que se estende, hoje, a todo o norte e já, mesmo, a todo o país: CEREJA DE RESENDE. São estes, afinal, os verdadeiros eventos que marcam a diferença e a dimensão das políticas autárquicas: i) pelo aproveitamento dos produtos endógenos que brotam do seio da terra; ii) pela riqueza que proporcionam aos residentes; iii) pela atracção turística que geram no país; iv) pela auto-estima e espírito de trabalho que acrescentam a todos os que ali vivem. Ali vi peregrinadores vindos de todo o país. Mais do norte, com certeza. Mas todos eles, visitantes ávidos de um fruto (e de

Segundo a Universidade de Aveiro, eucalipto de Contige, Sátão, é a maior árvore classificada de Portugal

Quem o diz é a Universidade de Aveiro na sua página do facebook, com data de 4 de janeiro, o eucalipto (Eucaliptus globus Labill) de Contige, no concelho de Sátão, é, em Portugal, o “recordista com 11 m de perímetro à altura do peito”, considerando mesmo tratar-se da “maior árvore classificada de Portugal.” Avança a Universidade na sua página que “é uma árvore imponente que não deixa indiferente quem entra na povoação. Plantado, provavelmente, em 1878, quando se abriu a Estrada das Donárias, é um dos maiores eucaliptos classificados até ao momento em Portugal. Localizado à beira da Estrada Nacional N.º 229, que liga Viseu a Satão.” E diz ainda aquela instituição de ensino superior que o eucalipto “terá pertencido à família Soares de Contige, ou a duas famílias (Garcia de Mascarenhas e Xavier do Amaral Carvalho) que se uniram em casamento no século XIX” e que “aquando da construção da estrada, e da expropriação do terreno, a monumentalidade deste exemplar terá contribuído para a

António Almeida Henriques

Foto: Facebook do Município de Viseu Costuma-se dizer que somos apanhados de surpresa e, quiçá, sem reação, quando as coisas acontecem sem data e sem hora predefinidas e programáveis. E se tal assim é para os muitos aspetos da vida também é para a morte. Porém, no caso da morte, a surpresa e a tristeza são incomensuráveis quando ela decide irromper e ceifar vidas extemporaneamente. Sim, bem sabemos que não há uma idade, um tempo, uma data para essa partida, mas, quando ela acontece muito aquém de uma chegada que nos habituámos a aceitar, o nosso questionamento não encontra uma resposta fácil e a teimosia, perante respostas de cariz mais religioso, é óbvia. Vem isto a propósito da morte de António Almeida Henriques, presidente da Câmara Municipal de Viseu, que aos 59 anos de idade, no pleno desempenho de funções eletivas e aprestando-se para mais uma pugna eleitoral, foi traiçoeiramente derrotado, muito aquém do tempo natural, por um vírus sem rosto e sem escrúpulos. Com ele prive