segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Diretor geral artístico da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos é natural do concelho de Sátão

Notícia DÃO E DEMO
Tem raízes no concelho de Sátão, mais concretamente em Rãs, aquele que foi o diretor geral artístico da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016 e que também vai ser o responsável da cerimónia de encerramento, bem como das cerimónias dos Paralímpicos.
Trata-se de Abel Gomes, “cenógrafo atuando há mais de 35 anos na direção de grandes espetáculos” segundo pode ler-se na página Cerimónias Cariocas 2016, uma parceria entre a Filmmaster e a SRCOM, empresas responsáveis pelo evento.
Abel Gomes na sua condição de diretor geral artístico da cerimônia de abertura foi o responsável por constituir uma equipa de criativos, o que fez, com  Andrucha Waddinton, Daniela Thomas e Fernando Meirelles, para participar no projeto.
Segundo Teresa Levin, da meio&mensagem, Abel Gomes “através de sua empresa, SRCOM, ele ganhou a concorrência para desenvolver as cerimônias das Olimpíadas e das Paralimpíadas ao se unir à italiana Filmmaster Group na Cerimônias Cariocas e vencer a concorrência mundial para ficar à frente do projeto nos dois eventos mundiais. Com uma carreira de 30 anos na área de criação e direção de grandes espetáculos, ele traz em seu currículo as oito últimas edições do Reveillon de Copacabana, a Jornada Mundial da Juventude no Rio, especiais de Roberto Carlos, além de projetos cenográficos e de direção da visita do Papa João Paulo II ao Brasil (1982/1997), a Árvore de Natal da Bradesco Seguros (1996 a 2010) e Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1, entre outros projetos marcantes.”
A cerimónia de abertura dos jogos teve lugar na noite de 5 de agosto, na passada sexta-feira, e o paradigma da cerimónia foi alterado, deixando de ser baseado no “high-tech” e na “dependência de grandes efeitos eletrónicos” para ter por base a “inventividade analógica” em que houve muita utilização da “riqueza da cultura popular brasileira e da garra e paixão de milhares de voluntários” segundo a equipa responsável pela cerimónia que contou com um décimo do orçamento dos jogos de Londres 2012.
Quem alertou Dão e Demo para este facto foi Ernesto Júlio Lopes, também ele com dupla nacionalidade e tal como Abel Gomes com ligação à aldeia de Rãs, concelho de Sátão. Ernesto Júlio escreveu, na sua página do Facebook, que Abel Gomes “é filho de portugueses, sendo que os seus pais nasceram numa aldeia chamada Rãs (…) e o próprio Abel também é português e nasceu nesse local, vindo para o Brasil acompanhando os seus pais e irmãos ainda criança e agora como todos nós portugueses que vieram para o Brasil quando criança também tem dupla cidadania.”
SOBRE A ATIVIDADE DE ABEL GOMES
“Cenógrafo atuando a mais de 35 anos na direção de grandes espetáculos. Fundador e diretor da P&G Cenografia e sócio CCO da SRCOM. Assinou a concepção e cenografia de diversos shows na TV Globo. Participou dos projetos cenográficos e direção artística da Jornada Mundial da Juventude em 2013; das Cerimônias dos Jogos Mundiais Militares Rio 2011; Show de 50 Anos da TV Globo; da Casa Brasil nos Jogos Olímpicos de Sidney 2000, Atenas 2004, Beijing 2008 e Londres 2012; além da concepção de projetos como o Réveillon de Copacabana (desde 2008); o Revezamento da Tocha Olímpica no Rio de Janeiro (2004), entre outros.” –  In: Cerimónias Cariocas 2016.
Foto: Cermónias Cariocas 2016

Sem comentários:

Enviar um comentário