sábado, 9 de janeiro de 2016

João Soares presidiu à cerimónia de apresentação do programa do centenário do Museu Nacional Grão Vasco

Notícia DÃO E DEMO.
João Soares, Ministro da Cultura, invocou os deuses para que através de um “milagre” pudessem reforçar o orçamento da cultura, em resposta a um “pedido” de Almeida Henriques, Presidente da Câmara Municipal de Viseu, que havia solicitado uma reprogramação das verbas da cultura no âmbito do Portugal 2020. Mas não deixou de enfatizar o exemplo que está a ser seguido em Viseu, no Museu, o das parcerias e do mecenato com instituições públicas e muitas empresas da região e nacionais.

Este “diálogo” aconteceu ontem, dia 8 de janeiro, ao final da manhã, durante a cerimónia de apresentação do programa do centenário do Museu Nacional Grão Vasco, em Viseu.
Esta foi a segunda presença em Viseu do Ministro da Cultura, neste pouco mais de um mês que leva em funções. A primeira tinha sido em dezembro para assistir à antestreia do filme Amor Impossível, de António Pedro Vasconcelos.

Mas na sua intervenção, João Soares, enalteceu a qualidade e a diversidade do programa que havia sido dado a conhecer pelo diretor do Museu, Agostinho Ribeiro, e disse que esta oportunidade permite também homenagear “um dos maiores pintores portugueses de sempre”, Grão Vasco, e “uma grande figura da República”, Almeida Moreira, que foi o primeiro diretor do Museu Nacional Grão Vasco.

Agostinho Ribeiro, na intervenção, traçou em detalhe todo o programa e toda a estratégia que lhe subjaz, deu a conhecer a Comissão Organizadora e a Comissão de Honra das comemorações do centenário.
Apesar de o dia 16 de março ser o dia maior destas comemorações, pois é o dia em que se assinalam os 100 anos de Museu, há toda uma diversidade de eventos que se sucedem a um grande ritmo. Desde exposições, algumas já em exibição, a colóquios, a conferências, à publicação de uma obra alusiva aos 100 anos, a catálogos, a um selo dos CTT, à poesia e muita música é um sem fim de iniciativas que irão decorrer durante o ano dentro do Museu, na cidade e mesmo em paragens mais distantes, como Cascais.

Almeida Henriques, Presidente da Câmara, enalteceu o trabalho de parceria e enfatizou a importância do Museu para a cidade e para a região neste ano em que em Viseu se assinalam para além do centenário do Museu, também o centenário dos Paços do Concelho, os 500 anos da Misericórdia e os 500 anos da dedicação da catedral diocesana.
Na mesa estiveram ainda Fernando Nogueira, presidente da Fundação Milénio BCP, mecenas do Museu, e o subdiretor geral do Património Cultural.

Sem comentários:

Enviar um comentário