terça-feira, 18 de agosto de 2015

Requalificação das Escolas Grão Vasco e Viriato? Com certeza! ...mas há muito mais a fazer!

As escolas Grão Vasco e Viriato, ambas do concelho de Viseu, foram alvo da assinatura de um protocolo, no dia 17 de agosto, entre a Câmara de Viseu e o Ministério da Educação, no âmbito dos fundos comunitários, que irá permitir a realização das obras de requalificação há tantos anos reclamadas, sobretudo na primeira. Esta sessão, que decorreu no salão nobre dos paços do concelho, contou com a presença do Ministro da Educação.
Diga-se aliás que foram muitas as pessoas que não se cansaram de reclamar ao longo dos anos estas obras, a começar desde logo pelos pais e encarregados de educação, mas também os deputados do PS (AQUI, AQUI, AQUI, AQUI...), entre muitos outros, que nunca deixaram que este assunto fosse colocado na gaveta, através de perguntas ao governo e de interpelações diretas ao ministro da educação na Assembleia da República.
Mas importa também dizer, nesta oportunidade, que a solução agora encontrada e que envolve o pagamento pela câmara de Viseu da componente nacional (cerca de 300 mil euros), não mereceu o acolhimento do anterior executivo municipal para protocolo semelhante, embora não deixa de ser curioso o facto de o governo atirar para o poder local as suas obrigações financeiras.
Bom, para não escalpelizar muito mais esta questão, agora que está resolvida, esperando-se que não vá para as calendas, termino com uma nota final.
Há no distrito outras escolas com graves problemas, que já haviam sido identificadas como tal, que não estão, que se saiba, na lista de obras a efetuar, como são os casos, entre outras, das escolas Latino Coelho (Lamego), de Moimenta da Beira e de Mangualde, e o caso mais paradigmático é mesmo o de São Pedro do Sul, em que o ministério ocupa uma escola (a básica 2,3) que vendeu ao município sem pagar qualquer renda pela sua utilização e o que é facto é que não quer fazer as obras na secundária, como lhe compete  e conforme o ministério se comprometeu. Estamos mesmo a ver que neste caso de São Pedro do Sul, obra estruturalmente profunda e de ampliação, na secundária para que possa receber também os mais de 400 alunos da básica, o ministério ainda irá dizer que a câmara deveria fazer a obras com 1 milhão dos fundos comunitários, quando as obras ascendem a vários milhões de euros! Neste caso, para começar, o que Nuno Crato deveria fazer era pagar a renda ao município de São Pedro do Sul pela ocupação da escola básica! Isso é que era elementar!
Em suma: Requalificação das Escolas Grão Vasco e Viriato? Com certeza... mas não há muito mais a fazer! Há outras escolas a exigirem uma célere intervenção e que não podem ir para o rol do esquecimento!

Sem comentários:

Enviar um comentário