sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Deputados do PS em defesa da saúde em Carregal do Sal

Diário de Viseu 6.05.2015
LUSA 05.02.2015 - Deputados do PS perguntaram hoje ao ministro da Saúde se tem conhecimento da “decisão unilateral, não negociada e muito menos consensualizada” com a Câmara de Carregal do Sal de reduzir o horário de funcionamento do centro de saúde.
Na pergunta, os deputados eleitos por Viseu José Junqueiro, Acácio Pinto e Elza Pais referem que a Câmara de Carregal do Sal foi confrontada "com a decisão unilateral do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Dão Lafões de diminuição de horário de funcionamento do centro de saúde”.
“A partir de 15 de fevereiro, penalizando a prestação de serviços aos utentes em duas horas por dia útil e quatro horas por dia aos fins de semana e feriados, aquela decisão será concretizada”, lamentam.
Ou seja, o centro de saúde (Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados) passará a estar aberto entre as 08:00 e as 18:00 nos dias úteis e entre as 09:00 e as 17:00 aos sábados, domingos e feriados.
A Câmara de Carregal do Sal teve conhecimento da decisão a 30 de janeiro e questionou o ACES Dão Lafões, tendo, na resposta, sido confirmada a redução do horário e deixada a promessa de, “na medida do possível e até ao final do corrente ano, tentar retomar o horário de funcionamento”.
O diretor executivo do ACES Dão Lafões, Luís Soveral Botelho, explicou que a UCSP de Carregal do Sal dispõe de cinco médicos, um dos quais em permanência na extensão de Cabanas de Viriato.
“A manutenção deste horário de funcionamento traduz-se em desgaste para todos os profissionais da UCSP de Carregal do Sal, designadamente para os médicos que aí prestam serviço, sendo que, desde o mês de agosto de 2014, vêm manifestando claros sinais de fadiga”, contou.
Segundo Luís Soveral Botelho, “a manutenção do horário de funcionamento implicaria o reforço da equipa com a entrada de mais um médico, o que não se tem afigurado possível até ao momento”.
Os deputados do PS alegam que “para um governo que publicita tanto a contratação de médicos e demais profissionais de saúde não se percebe que entre a teoria e a realidade não exista correspondência”.
“E menos se entende que pela falta de um único médico todo o atendimento devido aos utentes seja desqualificado e posto em causa”, acrescentam.
Por isso, os deputados querem saber se o ministro conhece esta decisão e se a apoia.
“Se não apoiar, compromete-se a manter - no imediato - o atual horário de atendimento e a decidir autorizar a colocação de mais um médico, entre os dois mil que diz estar a contratar, neste centro de saúde?”, questionam.
A Câmara de Carregal do Sal prometeu “continuar a envidar todos os esforços para que os seus munícipes continuem a poder utilizar os serviços de saúde nos horários em vigor”.

AMF // SSS

Sem comentários:

Enviar um comentário