quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Museu Grão Vasco vai ser ou não classificado como museu nacional?


Questão colocada, no dia 11 de novembro, ao secretário de estado da cultura no âmbito do debate na especialidade da cultura no orçamento de estado de 2015.
O secretário de estado disse o óbvio, que é um museu relevante, mas não se comprometeu com nenhum resposta.
GUIÃO DA INTERVENÇÃO:
Quero falar-lhe, neste debate, do Museu de Grão Vasco, um dos maiores ícones culturais da cidade de Viseu, cuja criação remonta a 16 de março de 1916.
Ancorado no pintor quinhentista Vasco Fernandes, o Museu Grão Vasco tem desempenhado a sua relevante missão a partir do intenso dinamismo dos seus dirigentes, colaboradores e amigos, de ontem e de hoje.
O seu acervo artístico de excelência é diversificado, mas é a sua coleção de pintura que lhe confere um estatuto maior e dentre este acervo sobressai de forma incontornável esse quadro sublime, São Pedro, de Grão Vasco.
Merece ainda uma especial referência o facto de muitos dos bens do Museu Grão Vasco serem efetivos “tesouros nacionais”, ao estarem classificados pela legislação como “bens de interesse nacional”.
Importa ainda enfatizar o facto de o Museu Grão Vasco ser o museu diretamente dependente do Estado Português que, depois dos grandes museus nacionais, mais visitantes tem conseguido atrair fora da capital, o que dá bem conta da importância, relevo e visibilidade desta instituição museológica.
Aquilino Ribeiro, esse mago da literatura portuguesa, escreveu em 1937 e cito: “O que é o Museu Grão Vasco? O Museu Grão Vasco não é Viseu; não é a Beira. É Portugal. Mais que Portugal é o mundo, pois que a arte tem feição ecuménica. Regional é-o apenas no rótulo que oficialmente lhe deram”.
E partindo destas palavras de Aquilino a minha questão é a seguinte: Está, o senhor secretário de estado, disponível para dar ao museu Grão Vasco a dimensão de que Aquilino Ribeiro falava já em 1937, desenvolvendo o processo para classificar o museu de Grão Vasco como MUSEU NACIONAL DE GRÃO VASCO, dando assim corpo também à vontade que o atual diretor do museu lhe dirigiu, apoiado pelos agentes sociais, políticos e culturais da região?
Essa previsão consta das opções do governo para 2015?

Sem comentários:

Enviar um comentário