sábado, 4 de outubro de 2014

PS defende que ministro Nuno Crato "está a mais" na educação

Foto: Notícias ao minuto
LUSA 03.10.2014: «O deputado do PS, Acácio Pinto, considerou hoje que a anulação do concurso de professores vai ter consequências «graves» e disse que o ministro da tutela, Nuno Crato, «está a mais» na Educação.
“Neste momento, em Portugal, não temos professores a mais, o que nós temos é um ministro da Educação que está a mais na Educação”, criticou o deputado, reagindo à anulação das colocações de professores.
O ministério da Educação e Ciência (MEC) deu hoje indicação às escolas para anularem as colocações de professores do concurso da bolsa de contratação, cujos resultados foram conhecidos a 12 de setembro, horas antes da divulgação de novas listas, que substituem as anteriores, nas quais foram detetados erros.
Acácio Pinto afirmou que se vive “uma situação desconcertante na educação”, em que reina “uma total confusão (…) com a agravante de o próprio ministro tentar agora passar para terceiros as responsabilidades dos seus próprios atos”, já que são os diretores das escolas que têm de elaborar um despacho que revogue as listas com a ordenação dos candidatos e consequentemente anular as colocações daí resultantes.
Para Acácio Pinto, essa responsabilização é “inadmissível”.
O deputado socialista alertou para as consequências da decisão que deixa professores que já estavam a lecionar “desalojados da sua colocação”, sublinhando que “é grave” do ponto de vista pedagógico e da organização “das suas próprias vidas”.
Para além disso, implica “subtrair tempos letivos a vários alunos, às escolas, que se vão refletir no final do ano letivo a nível das respetivas avaliações”, criticou.
O Ministério da Educação sustentou hoje que a publicação das novas listas de ordenação de professores na bolsa de contratação implica a revogação das listas iniciais, e que esta seria tácita se não fosse emitida uma orientação às escolas.
Em comunicado, o ministério refere que, "para corrigir as posições atribuídas aos professores, é necessário proceder à revogação das listas publicadas" antes da divulgação das novas.
A nota acrescenta que, "caso essa informação não tivesse sido transmitida às escolas, a própria publicação das novas listas implicaria uma revogação tácita daquelas anteriormente divulgadas".»

Sem comentários:

Enviar um comentário