sábado, 8 de março de 2014

Manifestação contra o encerramento do tribunal de Resende

Muitas centenas de pessoas participaram no dia 7 de março na manifestação contra o encerramento do tribunal de Resende que o governo se prepara para consumar, uma vez que o decreto lei respetivo já foi aprovado na reunião do conselho de ministros de 6 de fevereiro.
A manifestação realizou-se em frente ao edifício do tribunal, onde foi colocada uma faixa com a inscrição "Resende também é Portugal. Temos direito ao tribunal e ao juiz".
Presentes para além dos populares, os autarcas do concelho, autarcas da região, sindicato da administração pública, representantes da ordem dos advogados e o deputado do PS, Acácio Pinto, em representação dos deputados do PS eleitos pelo círculo eleitoral de Viseu.
Deixo de seguida algumas das principais frases que dos intervenientes que usaram da palavra.
Manuel Trindade, presidente da câmara:
- O objetivo desta manifestação é dar voz à indignação do povo.
- A ministra tem feito orelhas mouvas e vista grossa aos pedidos de audiência dos autarcas.
- Encerrar o tribunal é uma atitude de natureza ideológica com o objetivo de desertificar o interior.
- Estas populações correm o risco de, daqui a algum tempo, verem imposta nas suas comunidades a lei do mais forte. 
- Como é que pessoas com poucos recursos vão pagar deslocações e outras despesas para tratarem dos processos em Lamego ou em Viseu.
António Borges, presidente da Assembleia Municipal:
- Aquilo a que se está a assistir só pode ser equiparado a um ato de terrorismo político puro, fruto de fanatismo ideológico e até partidário deste governo e dos partidos que o suportam.
- O fecho do Tribunal de Resende está a ser feito debaixo de um chorrilho de mentiras, como o número de processos que é superior ao referido e de que temos julgado de paz o que não é verdade.
- Lutaremos contra estes fanáticos que nos governam e que esquecem as populações mais débeis do interior.
- Não percam a esperança e usem a arma do voto nos próximos atos eleitorais.
Acácio Pinto, deputado do PS eleito pelo círculo de Viseu:
- Este processo está assente numa mentira da ministra uma vez que o memorando com que ela se justifica, no seu ponto 7.3., não diz para se encerrarem tribunais.
- Os deputados do PS estiveram aqui com o anterior presidente e estão aqui com o atual presidente para dizerem que lutarão contra o encerramento dos tribunais.
- Quando o decreto lei for publicado os deputados do PS, na Assembleia da República, pedirão a apreciação parlamentar do mesmo para fazer cessar a sua vigência.
- O secretário geral do PS já disse os tribunais que este governo encerrar serão reabertos para que se faça justiça, quando o PS for governo.
- Lamento que do PSD e do CDS nenhum deputado tivesse respondido positivamente a este apelo para estar presente.
Cláudia Couto, representante local da ordem dos advogados, também interveio para referir que as pessoas de Resende, com esta reforma, terão de deslocar-se para Lamego e para Viseu, para terem acesso à justiça.
Para além disso enfatizou ainda o facto de não existir nenhuma rede de transportes estruturada que permita a acessibilidade interconcelhia.

Sem comentários:

Enviar um comentário