quinta-feira, 31 de outubro de 2013

[opinião] Na educação: um orçamento cruel!

O orçamento de estado para 2014 no que à educação diz respeito não é mais do que o prosseguimento da implosão da escola pública tarefa, afinal, que este governo iniciou há vinte e oito meses.
O ensino básico e secundário e a administração escolar levam mais um corte de 7,6%, relativamente ao ano anterior, o que reduz o seu orçamento dos 6.250 para os 5.775 milhões de euros. Ou seja, e não tenhamos dúvidas sobre isto, vai empobrecer e desqualificar de uma forma absoluta a educação que é prestada nas escolas portuguesas.
E, pasme-se, a única rubrica que, objetivamente, tem um aumento de valor é a das transferências para o ensino particular e cooperativo, com um acréscimo de 0,9%, ou seja mais 2 milhões de euros.
Por mais justificações que sejam ensaiadas ninguém vai perceber estes sinais que um governo ultraliberal, nos seus termos e substância, está a fazer à educação em Portugal. Ninguém vai compreender que se estejam a atirar para o lixo todos os ganhos que obtivemos nas últimas décadas e que nos alcandoraram a patamares cimeiros a nível internacional.
Também o ataque ao sistema científico e ao ensino superior não são poupados. Há, igualmente aqui, um corte de 4,1% relativamente a 2013, em que, inclusivamente, nem o montante para os vencimentos dos docentes foi acautelado, na totalidade.
Isto dito, desta forma, parecem meros números com escasso significado, embora estejamos a falar de cortes de cerca de 600 milhões na educação e ciência.. O problema é que eles significam e já estão a significar muito.
Três exemplos, entre muitos que se poderiam elencar.
Significam para os alunos com necessidades educativas especiais que, sendo os mesmos do ano anterior, este ano têm muito menos professores e técnicos especializados colocados, nalguns casos com cortes de 50% dos recursos humanos. Ou seja já há portugueses (professores e alunos com necessidades educativas especiais) a sofrer em 2013 as agruras do OE 2014.
Significam para os milhares de alunos que têm abandonado o sistema educativo, na escolaridade obrigatória, que irão aumentar em 2014, e cujo paradeiro todos adivinhamos.
Significam para os milhares de estudantes que em 2014 se irão candidatar ao ensino superior e que não irão efetuar as respetivas matrículas, à semelhança dos seis mil deste ano.
Ou seja, estamos perante um orçamento “cruel, desmoralizador e que está a ir ao osso”, nas palavras de diretores de escolas públicas, com as quais aqui deixamos a nossa concordância.
E o efeito destas políticas desmobilizadoras da comunidade educativa vai ser demolidor a prazo, com tudo o que significará de desqualificação da população portuguesa e de aumento de marginalidades.
As evidências dispensam mais palavras e mais fundamentações, daí que o tempo tem que ser de uma completa mudança não só de políticas mas de governantes.
Acácio Pinto

Sem comentários:

Enviar um comentário