quarta-feira, 24 de abril de 2013

Deputados do PS questionaram o governo sobre ligação: A24 (Valdigem) - Armamar - Tabuaço - S. J. Pesqueira

«Ex. ma Presidente da Assembleia da República,
Desde sempre que o Douro foi uma região de extrema importância para economia portuguesa nas suas mais diversas vertentes: agrícola, paisagística, cultural, patrimonial e, como corolário, na vertente do turismo.
Atentas todas as suas características a Unesco conferiu em 2001 ao Alto Douro Vinhateiro, a mais antiga região vinícola demarcada do mundo, desde 1756, o título de património da humanidade.
Foi com a finalidade de conferir a este território a centralidade que ele de facto merece que na última década foram efetuados vultosos investimentos, de que destacamos, entre muitos outros, o Museu do Douro, o Museu do Côa, estes agora relegados para segundo plano pelo governo, e a A 24.
E se é bem verdade que nestes dois últimos anos temos vindo a assistir a um claro desinvestimento na região nos mais diversos setores, não acreditamos que o governo queira prosseguir este caminho e que, no atual contexto de investimentos vultosos em infraestruturas e acessibilidades e em planos de crescimento no país, não priorize o Douro como um território que carece de algumas obras essenciais para aumentar a sua coesão territorial, de que é exemplo a ligação à cota alta, alternativa à estrada nacional 222, entre o nó de Valdigem da A24 – Armamar – Tabuaço – São João da Pesqueira, incluindo a ligação do nó de Barcos a Tabuaço e ao IC 26 em Moimenta da Beira.
Aliás, esta questão mereceu também a atenção, em outubro de 2010, de deputados do PSD, alguns deles ainda no governo, ou no governo até há escassos dias atrás, casos de José Cesário e de Almeida Henriques (vide pergunta 626 XI/2) como sendo “fundamental e decisiva no sentido de prosseguir a política de coesão territorial e social e, sendo de proximidade, se transformaria em factor de crescimento da economia e do emprego.”
Registe-se que, igualmente, os autarcas dos municípios envolvidos têm sido incansáveis na demonstração das mais-valias para as pessoas e para as empresas dos seus territórios, que adviriam com a execução desta acessibilidade, de variante à EN 222, à cota alta.
É, pois neste contexto, de vultosos investimentos nacionais que o governo disse ir efetuar em acessibilidades rodoviárias e ferroviárias e de anunciados planos de crescimento, que os deputados do PS eleitos pelo círculo eleitoral de Viseu, vêm, através de vossa excelência, senhora presidente, colocar ao ministro da economia e do emprego a seguinte questão:
1. Considera o ministro da economia e do emprego, à semelhança dos seus colegas/ex-colegas de governo e de ministério, como prioritária a construção, à cota alta, da ligação do nó de Valdigem, Armamar, Tabuaço, São João da Pesqueira, incluindo o nó de Barcos a Tabuaço e ao IC 26 em Moimenta da Beira?
2. Em caso afirmativo qual o grau de prioridade e o calendário para a construção desta via “decisiva no sentido de prosseguir a política de coesão territorial e social e, sendo de proximidade, se transformaria em fator de crescimento da economia e do emprego”?
Palácio de São Bento, quarta-feira, 24 de Abril de 2013
Deputado(a)s
ACÁCIO PINTO (PS)
JOSÉ JUNQUEIRO (PS)
ELZA PAIS (PS)»

Sem comentários:

Enviar um comentário