terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Ajuda externa: PS teve razão no tempo certo em pedir mais tempo


LUSA - O secretário-geral do PS afirmou hoje que teve razão quando defendeu que Portugal precisava de mais tempo para pagar o seu empréstimo à 'troika' e acusou o primeiro-ministro de ter mudado devido ao fracasso das políticas do Governo.
António José Seguro falava em conferência de imprensa, na sede nacional do PS, depois de o ministro de Estado e das Finanças, Vítor Gaspar, ter anunciado que Portugal iria pedir uma flexibilização das condições de pagamento do empréstimo da 'troika' (Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional e Comissão Europeia).
"O PS teve razão no tempo certo", sustentou António José Seguro, frisando que os socialistas sempre defenderam que Portugal precisava de mais tempo para cumprir o memorando, de menos taxas de juro e de mais tempo para pagar a sua dívida.
"A realidade e o fracasso da política do Governo obrigaram o primeiro-ministro [Pedro Passos Coelho] a pedir a renegociação do empréstimo à 'troika', mas sem ter a coragem de o dizer aos portugueses", acusou o secretário-geral do PS.
De acordo com o líder socialista, o primeiro-ministro "sempre rejeitou" a ideia de Portugal" pedir mais tempo e mais dinheiro, mas no mês de janeiro ficámos a saber que o país obteve mais 4,2 mil milhões de euros de empréstimo, sem que [Pedro Passos Coelho] tenha esclarecido onde vai aplicar esse dinheiro".
"E ficámos a saber [segunda-feira à noite] que o Governo pediu mais tempo para pagar a dívida à 'troika'. Sempre que eu e o PS propusemos mais tempo para a consolidação orçamental, menos taxas de juro e mais tempo para pagar dívidas, o primeiro-ministro rejeitou, dizendo que o PS estava errado e que isso seria mau para Portugal", apontou Seguro.
De acordo com o secretário-geral do PS, a opção do Governo de pedir mais tempo para pagar o empréstimo da 'troika' "tem um custo, não para o primeiro-ministro, mas para Portugal e para os portugueses".
"Perdemos tempo: Hoje temos 883 mil desempregados e, segundo as estatísticas da OCDE, Portugal foi o segundo país com maior destruição do emprego", disse, referindo-se também a falências de empresas (aumento de 55 por cento) e a uma subida do número de famílias insolventes.
"Estamos numa espiral recessiva. Hoje, uma vez mais, ficou provado que a alternativa existe e que a estratégia do PS de há mais de um ano revelou-se possível e necessária para Portugal", acrescentou.

Sem comentários:

Enviar um comentário