sábado, 24 de março de 2012

[opinião] O governo nada tem a ver com o preço dos combustíveis? Essa agora!

Temos estado confrontados, dia sim, dia não, com subidas dos combustíveis em valores nunca vistos até hoje.
A gasolina aumentou treze cêntimos e o gasóleo sete cêntimos desde o início do corrente ano. E ficámos a saber, por uma declaração lapidar proferida por Passos Coelho, que se trata de “uma matéria que não depende da intervenção do Governo”.
Por um lado o líder do Governo está a tratar-nos, a todos, como se não fôssemos dotados de inteligência e por outro lado está-se a tratar, a si próprio, como político gelatinoso como nos tem vindo a habituar. Ou seja, na oposição, quando candidato a Primeiro-Ministro, indignava-se com os preços dos combustíveis, pese embora o facto de muito inferiores aos de hoje e de o rendimento dos portugueses ser superior ao atual; agora como Primeiro-Ministro disse, em Viseu, o que disse. Que o seu Governo não tem nada a ver com isso, lavando as mãos como pilatos.
Aliás, convém dizer que do mesmo modo se comportou e comporta o seu parceiro de coligação, Paulo Portas, que também teve uma amnésia relativamente às declarações que efetuou no Parlamento quando na oposição.
Ou seja, os portugueses confrontam-se, todos os dias, com factos que revelam uma argumentação falaciosa e sustentada em mentiras e embustes políticos que o PSD e o CDS encenaram para “ir ao pote”, para reduzirem os vencimentos dos portugueses, nomeadamente dos funcionários públicos, para aumentarem o desemprego, para aumentarem as taxas moderadoras e para atacarem a escola pública e ao invés atribuírem um conjunto de benesses escandalosas a nomeados seus para empresas públicas ou afins e atacarem a economia.
Estamos, pois, perante o grau zero da política. Na oposição tudo servia para atacar o Governo, o PS e José Sócrates e agora, no poder, aquilo que se faz é o inverso de tudo quanto se proclamou ontem. Ou a culpa para o preço dos combustíveis ainda é de José Sócrates e do PS, como bem diz Miguel Sousa Tavares?
Os portugueses começam a perceber o logro da direita e não silenciarão este, seu, desencanto e revolta, nos momentos próprios.
Importa, para finalizar, dizer que me resta desafiar o Primeiro-Ministro e o Governo a escutarem Passos Coelho e Paulo Portas, de há um ano atrás e a dizerem porque não seguem, hoje sim, as receitas que na altura foram proferidas, de forma tão célere e convicta. A economia e o emprego agradeciam!
UMA NOTA PARA MEMÓRIA FUTURA: o PS em matéria de energias renováveis, aquelas que, verdadeiramente, nos irão dar segurança energética e reduzir a dependência dos combustíveis fósseis, tem um histórico que não é possível elidir com declarações de última hora de uns quantos atuais governantes.
(In: Jornal do Douro de 22.03.2012 pág.4)

2 comentários:

  1. Existe um permanente esquecimento do que se disse, quando se foi oposição. Pena é, não podermos (cidadãos) ser mais interventivos e mostrar a esses senhores as permanentes asneiras que fazem e que prejudicam, mais uma vez, milhares de portugueses e empresas.
    Pergunto-me muitas vezes qual a realidade da nossa vizinha Espanha, que se dá ao luxo de, por exemplo, ter nas empresas que fornecem combustíveis, vários funcionários a servir os clientes? Até nesse aspeto, continuamos atrasados, pois podíamos pensar, se o preço dos combustíveis é elevado, os despedimentos serão inevitáveis. Mas o interessante nisto tudo é que em Espanha, o preço dos combustíveis é substancialmente mais baixo, o que faz com que perto das nossas fronteiras, os postos de abastecimento mais pareçam as tabernas dos filmes do Texas...abandonados.
    A juntar a isto, não vejo qualquer intenção de quem de direito, em tentar mostrar aos detentores do monopólio dos combustíveis que estão a exercer um roubo aos contribuintes, com influência direta no desenvolvimento económico do país. Assim, seria importante apostar em definitivo nas energias renováveis, até porque um país como o nosso, 100% dependente do petróleo, seria bastante importante o Estado incentivar o desenvolvimento desta área. Se a política fosse nesse sentido, certamente que Galp e outras companhias, pensariam duas vezes em aumentar os preços dos combustíveis.

    ResponderEliminar
  2. Obrigado, André, pelo comentário, com que estou de acordo na generalidade.

    ResponderEliminar